Tags

Como consequência dos padrões de colonização e migrações dos povos bárbaros e das formas de comércio e de comunicação restrita em virtude do isolamento físico desenvolveram-se dialetos regionais muito distintos.

Esses dialetos, muitas vezes mutuamente incompreensíveis, foram utilizados por todo o Sacro Império Romano – Germânico. Neste momento a Alemanha estava dividida em muitos estados distintos, não havia uma força unificadora ou uma padronização alemã até que Martinho Lutero traduziu a Bíblia. E a difusão da língua estandardizada foi difundida.

O dialeto alemão na qual Martinho Lutero traduziu a Bíblia hoje em dia é considerada o modelo sobre o qual foi construído o alemão padrão clássico ou Hochdeutsh. Hoch, “alto” e Deutsch significa “alemão clássico”, e não alto-alemão. Quase todo material utilizado pelas empresas de comunicação e quase todo material impresso é produzido principalmente nessa variedade ou dialeto oficial alemão. O alemão clássico é compreendido por todo o país, mas todas as regiões possuem seus distintos dialetos.

O primeiro dicionário dos Irmãos Grimm, ou Gebrüder Grimm, do qual dezesseis partes foram lançadas entre 1852 e 1960, permanece como o guia mais compreensivo das palavras do idioma alemão. Em 1860, regras gramaticais e ortográficas apareceram pela primeira vez no Duden Handbuch. Em 1901, o Duden foi declarado o padrão definitivo do idioma alemão, em relação a esses assuntos linguísticos. Somente em 1998, algumas dessas regras foram oficialmente revisadas.

O idioma almeão é falado na Alemanha, Áustria, Suíça, Liechtenstein, Luxemburgo e nas regiões de Alsácia-Lorena e Alto Adige (Itália).

Em seu alfabeto, a língua alemã conta com 26 letras padronizadas.